quarta-feira, 24 de setembro de 2014

À mulher de César não basta ser honesta…

Adicionar legenda
Há mais de dois mil anos o imperador Júlio César decidiu divorciar-se da sua esposa Pompéia, não porque ela lhe tivesse sido infiel, mas apenas porque esse rumor correu em Roma. Foi no contexto desse divórcio que Júlio César disse que “à mulher de César não basta ser honesta, tem de parecer honesta”. Passaram-se séculos e aquela frase e o seu significado chegaram até aos nossos dias, sendo utilizada em situações muito diversas, sobretudo de ordem política.
Vem esta evocação a propósito da dúvida agora surgida a respeito do jovem deputado Pedro Passos Coelho (PPC) que em tempos se esqueceu dos seus deveres parlamentares e terá recebido importâncias a que não tinha direito. A questão é simples: ou PPC tinha regime de exclusividade e não podia ter recebido quantias da ordem dos 150 mil euros por actividades exteriores ao Parlamento que não declarou ao fisco, ou PPC não tinha regime de exclusividade e, nesse caso, não tinha direito ao subsídio de reintegração de cerca de 30 mil euros que requereu à Assembleia da República e lhe foi concedido.
Estes factos terão ocorrido entre 1995 e 1999 e, a ter acontecido qualquer ilicitude de natureza criminal, já terá prescrito. Porém, o deputado PPC chegou a primeiro-ministro e, nessa função, a ausência de responsabilidade criminal não elimina a responsabilidade política. A ser verdade o que a imprensa vem revelando, não podemos deixar de condenar quem tem actuado como uma espécie de justiceiro e tem dirigido uma política de cortes cegos contra funcionários públicos e pensionistas e, afinal, tem tantos telhados de vidro. Lamentavelmente, em vez de procurar esclarecer o que se passou, refugia-se em frases vazias e na falta de memória, ameaçando bater com a porta. Assim, aumenta o nosso interesse em saber a verdade, até porque em política não vale tudo. À mulher de César não basta ser honesta, tem de parecer honesta.

2 comentários:

  1. O pior é quando o "César" além de não parecer também não é!

    ResponderEliminar
  2. Em contrapartida, ao "César" não basta parecer, tem de ser!

    ResponderEliminar